Inventário extrajudicial

Atualizado: 3 de Ago de 2019

Você sabia que o inventário não precisa ser feito sempre por processo judicial?

Palavras-chave: #sucessões #invetário #inventárioextrajudicial



Em algumas situações o inventário pode ser feito direto no cartório, por escritura pública, sem a necessidade de um processo judicial. Para que isso seja possível, é necessário que as partes interessadas sejam maiores e capazes e estejam de acordo com a partilha.


Além disso, todos os herdeiros precisam estar assistidos por advogado e todas as pendências fiscais dos bens devem ser quitadas, como o IPTU e o IPVA.


Após a apresentação dos comprovantes de quitação, será necessário efetuar o pagamento do imposto de transmissão causa mortis, denominado ITCMD, que será calculado sobre o valor dos bens do inventário.


Dessa forma, estando todos os impostos quitados e as partes de acordo com a partilha, será lavrada a escritura pública, o que possibilita a transferência da propriedade dos bens aos respectivos herdeiros.


Também, a lavratura da escritura pública será gratuita para aqueles que se declararem pobres, o que não abrange o pagamentos dos impostos.


Fonte: FARIAS, Cristiano Chaves de; ROSENVALD, Nelson. Curso de direito civil: sucessões. v. 7. 7. ed. rev. ampl. e atual. São Paulo: Atlas, 2015. p. 445 - 449.


Brito Advocacia,

Letícia Moura de Brito

Advogada, OAB/RS 114302

Pós-graduanda em direito tributário pela LFG.

E-mail: brito-dalpiaz@outlook.com


#direito #direitocivil #inventáriojudicial #tributário #escriturapública #partilha #formaldepartilha #britoadvocacia #advocacia #escritoriodeadvocacia

8 visualizações

DRA. Letícia Moura de Brito

advogada

OAB/RS 114302

Brito advocacia

sociedade individual de advocacia

oab/rs 8.984